• Analisa a relação entre a Arquivologia, a História e a Biblioteconomia na organização de arquivos pessoais. Empiricamente o trabalho se concentra na experiência realizada por historiadores que, desde 2011, atuam na organização de arquivos pessoais que compõem o acervo do Centro de Documentação Cultural Eloy de Souza (CEDOC), instituição inaugurada em 2003 com a proposta de ser um local destinado a preservar a memória potiguar. Desde 2011, os arquivos pessoais se tornaram o principal foco do CEDOC, que passou a abrigar arquivos de personagens que se destacaram na sociedade potiguar ao desenvolver ações ligadas à política e às artes. Neste texto, serão analisadas as experiências com os arquivos pessoais dos ex-governadores Sylvio Pedroza (que organizou em vida seu acervo) e Dix-Sept Rosado Maia (que teve seu arquivo criado décadas após a sua morte, a partir de documentos doados por familiares e amigos), enfatizando as dificuldades para a organização de um arquivo que reúne documentos textuais, livros e objetos tridimensionais. O trabalho dos historiadores é o de situar historicamente os personagens e a documentação, e estando diante de arquivos de tanta diversidade documental, foi procurada a parceria com arquivistas, museólogos e bibliotecários. O trabalho discorrerá sobre o que foi feito para juntar diferentes suportes documentais em um mesmo acervo. Teoricamente o texto está calcado na ideia de que nas últimas décadas, há um profícuo diálogo estabelecido entre os historiadores e profissionais que lidam com documentos arquivísticos: os historiadores, por um lado, passaram a se interessar cada vez mais pela formação de arquivos, especialmente no que diz respeito aos arquivos pessoais, que passaram a se tornar não só fonte, {The complete resume can be downloaded in: https://www.encontro2018.rj.anpuh.org/download/download?ID_DOWNLOAD=5 (See page 380)]